Archive for 30 de Janeiro, 2007

O amor desmetaforizado: O soneto CXXX de Shakespeare.

Janeiro 30, 2007

Não tem olhos solares meu amor;
Mais rubro que seus lábios é o coral;
Se neve é branca, é escura a sua cor;
E a cabeleira ao arame é igual.

Vermelha e branca é a rosa adamascada
Mas tal rosa sua face não iguala;
E há fragrância bem mais delicada
Do que a do ar que minha amante exala.

Muito gosto de ouvi-la, mesmo quando
Na música há melhor diapasão;
Nunca vi uma deusa deslisando
Mas minha amada caminha no chão.

Mas juro que esse amor me é mais caro
Que qualquer outra à qual eu a comparo.

Poemas de amor (tradução de Barbara Heliodora)

Gosto muito do soneto CXXX: Shakespeare “desmetaforiza” o amor ideal: a amada não é aquela cantada pela maioria dos poetas: a musa de cabelos sedosos, lábios rubros e pele alva. Ela “caminha no chão” e tem uma cabeleira igual ao “arame”. Muito se especula sobre a chamada “dark lady” que habita muitos dos seus belos sonetos. Será que o bardo inglês teve um love-affair com uma africana, ou com uma mestiça, ou mesmo com uma sensual italiana com a tez tingida pelo sensual sol mediterrâneo? 

Especulações  à parte, não se deve esquecer que um bom poeta é, sem dúvida nenhuma, um bom “fingidor”, como já dizia Fernando Pessoa. Para mim, o mais interessante é perceber como Shakespeare desconstrói as metáforas tradicionalmente atribuídas à amante ideal — aquela que apenas se encontra nos sonhos e na imagem construída pelas chamas da paixão. A amante do soneto CXXX é a amante “real”, cujo amor, na ótica do poeta, é muito “mais caro” do que toda a beleza efêmera.

Se há uma metáfora no soneto, a mais importante é, na minha opinião, o próprio fazer poético. É o poeta falando sobre a própria poesia, sobre a construção do amor “ideal” versus o amor real na literatura e, por analogia, na vida. Dessa forma, o poema se torna um “metapoema”.   

black-woman.png

Achei a ilustração acima aqui. O nome do pintor é Merello.

Anúncios

Sonnet CXXX

Janeiro 30, 2007

My mistress’ eyes are nothing like the sun;
Coral is far more red, than her lips red:
If snow be white, why then her breasts are dun;
If hairs be wires, black wires grow on her head.
I have seen roses damasked, red and white,
But no such roses see I in her cheeks;
And in some perfumes is there more delight
Than in the breath that from my mistress reeks.
I love to hear her speak, yet well I know
That music hath a far more pleasing sound:
I grant I never saw a goddess go,
My mistress, when she walks, treads on the ground:
And yet by heaven, I think my love as rare,
As any she belied with false compare.

–William Shakespeare–

shakespeares-signatures1.png

Acima, uma das seis assinaturas de Shakespeare.