Sobre o acidente aéreo em Congonhas ou “God only knows what I’d be without you”

Julho 19, 2007

 “God only knows what I’d be without you”

 A cena abaixo, do filme Love, Actually é, ao meu ver, uma das mais bonitas, singelas, alegres e comoventes da história do cinema contemporâneo. Eu nunca me canso de assistí-la. Da mesma forma que eu não me canso de observar as cenas de chegadas e partidas dos aeroportos que eu vou. Há sempre uma energia incrível que circunda as pessoas que se despedem e/ou recebem os seus amados. Pais recebendo o filho, a filha recebendo a mãe; o marido que se despede da esposa; a namorada do namorado; um amigo recebendo o outro. É geralmente lindo de ver.

Me corta o coração imaginar a partida dos passageiros do trágico acidente que aconteceu em São Paulo. Pior ainda é saber que nunca haverá nenhuma cena de chegada como as do vídeo abaixo para eles e para os seus amados.

E tudo isso por uma apatia geral que assola esse país. Todos sabemos que o aeroporto de Congonhas tem que ser fechado. Lembro ter assistido um documentário sobre isso há mais de dezesseis anos na Globo: era um controlador aéreo que anonimamente denunciava as péssimas condições de trabalho e das pistas do aeroporto mais movimentado do Brasil.

Espero que você tire três minutinhos do teu dia para assistir as cenas abaixo e que pense nos passageiros do vôo JJ 3054, bem como das vítimas que se encontravam no prédio da Tam Express. E que o teu luto por essas pessoas, que a tua lástima pelos parentes e amigos dessas vítimas se transforme em algo mais do que um profundo pezar. Que nós não esqueçamos que nada foi feito, que esse acidente poderia ter sido evitado e que se não fizermos nada, outros, com certeza, acontecerão. E daí, cenas como as do vídeo abaixo, “Nunca. Nunca. Nunca. Nunca. Nunca [mais]”, como Lear repete cinco vezes ao ver a filha morta.  (Rei Lear, Shakespeare)

“God only knows what I’d be without you” (The Beach Boys) 

I may not always love you
But long as there are stars above you
You never need to doubt it
I’ll make you so sure about it
God only knows what I’d be without you

If you should ever leave me
Though life would still go on, believe me
The world could show nothing to me
So what good would livin’ do me
God only knows what I’d be without you

God only knows what I’d be without you

If you should ever leave me
Though life would still go on, believe me
The world could show nothing to me
So what good would livin’ do me

 God only knows what I’d be without you

6 Respostas to “Sobre o acidente aéreo em Congonhas ou “God only knows what I’d be without you””


  1. Eu choro toda vez q vejo essa parte do filme – acho bastante sensível e prá quem já teve q deixar pessoas amadas e partir é bastante tocante… Difícil imaginar o q os familiares das vítimas desse acidente estão passando, mas sabemos que lhes foi tirado a oportunidade e a experiência de receber de volta seus entes queridos…

  2. cris s Says:

    Simone,
    Eu sou a maior durona p/ chorar, mas essa cena me toca profundamente pela simplicidade e honestidade (na falta de palavra melhor). Eu já passei por tantos momentos de chegada e partida e muitos foram coroados com cenas assim. Mas acho lindo ver a carinha de alegria e felicidade das pessoas: fico feliz com a felicidade dos outros.

    Enfim, eu tentei deixar um comentário no teu blog, mas tem que ter senha, né? Não consegui!!

    beijocas e apareça sempre aqui.

  3. Regina Says:

    Cris,

    Muito linda a cena. Fiquei morrendo de vontade de ver o filme. Muito tocante o que voce escreveu no inicio desse post.

    Como voce sabe estou constantemente lidando com chegadas e despedidas. I could definetely relate…

    Bjs

    Regina

  4. Raquel Says:

    Cris,

    adoro essa cena no aeroporto, acho muito bacana mesmo. O final todo é bem legal, gosto demais. Dá uma peninha da personagem da Laura Linney, que termina sozinha… E o que é a Emma Thompson, dá um show!

    Bjs bjs

  5. cris s Says:

    Raquel,

    A história da personagem da Laura Linney é bem triste. Mas me parece que ela faz uma opção, não acha? Ela opta por cuidar do irmão doente.

    A Emma Thompson é incrível. SEMPRE. Esse pessoal britânico é imbatível. C/ exceção do Hugh Grant que está decaindo muito.

    bjs

  6. cris s Says:

    Regina,

    Love, Actually é um filme lindo e alto astral, segue a esteira dos bons chick flicks britânicos.
    Você vai gostar.

    beijos


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: