Tudo ou nada.

Outubro 7, 2007

Então como explicar que a realidade não é branco e preto? Como ensinar que o sim e o não não são palavras que eternizam a vida? Que as decisões, na juventude, não são únicas nem tampouco ‘finais’? Que há soluções e caminhos alternativos, mesmo que hoje tudo mostre o contrário… Tudo bem, eu mesma sei o quanto tudo me parecia definitivo — sofria como quem estava suspirando o último suspiro, beijando o último beijo, bebendo a última gota d’água. Mas, no entanto, continuava levando a vida. Ou seja, morria de paixão, defendia as minhas causas como se eu fosse salvar o mundo, mas sabia que tinha que ir à universidade, dar minhas aulinhas, etc. Nunca perdi a noção da responsabilidade e do meu futuro.

Será que a temperança só vem com o tempo?  Ou será que há pessoas que permanecem escravas de suas paixões para o resto de suas vidas?

9 Respostas to “Tudo ou nada.”

  1. Doug Says:

    Ok, é um clichê, mas é fato que o tempo é o melhor remédio (espero sentir seu efeito o mais depressa possível)😉

  2. cris s Says:

    Doug,
    O cliché do tempo é talvez o que mais vigora. Se até eu melhorei com o tempo, tenha certeza q vc vai!!

  3. JN Says:

    A temperança vem com tempo é verdade, e eu já tenho idade para o saber…

    Mas também sei, e por muitos caminho que se tomem, que há paixões que ficam; e se calhar ainda bem🙂

  4. regina Says:

    Cris,

    Acho que e’ uma questao de tempo, mas tambem de temperamento…

    Beijocas,

    Regina

  5. cris s Says:

    JN,
    Sim, que não sejemos absolutamente sensatos em tudo! Imagine que chato seríamos!🙂

  6. cris s Says:

    Regina,
    É, também acho que sejam as duas coisas. Agora acho que aqueles que adqüirem um certo controle com o tempo, se adaptam melhor ao mundo. Aqueles que são escravos de suas paixões, ficam restritos e se adaptam c/ mais dificuldade.

    Como estão as coisas por aí?? Menina, eu ando muito, mas muito ocupada….

    bjs


  7. Oi Cris! Tem paixão que escraviza sim. Mas agora fiquei pensando aqui… mas será paixão apenas? Paixão passa, tem umas convicções que vão com a gente a vida inteira e a gente sofre por elas.
    Beijos

  8. cris s Says:

    Flá,
    Ótimo argumento! Concordo que algumas paixões passaram a ter o status de convicções e, portanto, são permanentes (a não ser que algo *muito* radical aconteça). Daí realmente acho que temos que aguentar o sofrimento. Algumas convicções são ‘sofridas’, você tem toda razão.
    beijocas

  9. Gi Says:

    Cris, sobre o post, só tenho a dizer que eu não sou muito de “defender causas” (mais pessoas e isso às vezes me causa problemas), mas a emoção é normal. Nós somos humanos. E isso nem sempre tem a ver com o “tempo”. A gente morre sem saber muita coisa da vida, né? Às vezes, fica “metamorfose ambulante”, “paixãoracional”, se é q vc entende. ;-))

    Vim mais pra dizer que gostaria de te mandar um e-mail, mas não sei teu endereço, e o site Blogger não guarda nada dos comentadores, não é “obrigatório” no sistema. Eu não queria comentar antes aqui, porque sinceramente não tive vontade quase de visitar blogs e falei mais nas pessoas que me escreveram em ocasião da morte de meu pai no dia 6 de setembro. Você provavelmente viu o meu post de 6 de outubro, um mês depois e os outros. Achei q vc fosse comentar no post, enfim. Fiquei esperando, confesso. Gosto de ti e te considero uma amiga, por isso vim aqui falar contigo. Podemos nos comunicar por email. ;-))

    Bjs, Gisela


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: