Jardim, até que enfim.

Março 16, 2008

Quem vez por outra passa aqui, já deve ter lido alguns dos posts sobre as minhas flores. Eu já escrevi bastante (principalmente aqui e aqui) sobre as minhas queridas lavandas, contei sobre os seus talentos e encantos e declarei minha preferência pelas belezuras. Só que já faz um bom tempo que eu não toco no assunto e, geralmente se eu paro de falar sobre algo que eu usualmente falava, é porque algo aconteceu. Enfim, indo direto ao ponto: as minhas lavandas, não sei porque cargas d’água, deram pouquíssimas flores e estão secando. Acaba que eu vou ter que revisar tudo o que eu falei delas. Não que eu tenha mudado de idéia, mas pelo menos agora eu sei que a lida com a lavanda não é tão fácil assim. Talvez eu tenha plantado essas mudas na época errada, talvez eu tenha regado muito no início, talvez eu tenha posto algum adubo que elas não gostem, não sei, o fato é que algo aconteceu. Eu juro que não vou desistir das lavandas, afinal, como poderia, com aquele perfume que me encanta e com aquelas flores pequenas, rústicas e absolutamente lindas que alegram qualquer ambiente. O negócio é o seguinte, pequenas lavandas: a vida continua enquanto eu fiz tudo para que vocês sobrevivessem, sabe como é, o capim cresce, as trepadeiras continuam aumentando freneticamente e as rosas…., pois é, as rosas.

rosas-marco_08.png

A rose is a rose is a rose is a rose (Gertrude Stein) 

O problema é que rosas são flores que não primam pela modéstia, adoram se mostrar. E as da foto aí de cima então quando se deram conta que as lavandas estavam mais pra lá do que pra cá, já viu, se aproveitaram… Nunca vi florescer tanto! Tem vezes que o roseiral tem mais de 10 rosas, todas lindas, perfeitas, do jeito que só as rosas conseguem ser perfeitas. Quando os pequenos botões florescem, nossa que perfume incrível! Eu fico pensando que os botões ‘guardam’ o perfume para poderem revelar toda a sua beleza quando finalmente se tornam rosas. Ocorre que, querendo ou não querendo, o ciclo das rosas logo vai entrar num período dormente: tenho que podá-la no outono para que ela se fortaleça para a primavera. Enfim, se precisa de poda, poda terá. Quanto às lavandas, sinto dizer mas terei que substituí-las por outras. Talvez tenha que aguardar até a primavera, veremos.

Mas vamos à mais recente atração do jardim:

gallengale.png

São as nossas mudas de galangale, o gengibre que trouxemos na Tailândia! Pois é, depois de comer aquelas delícias todas e de descobrir que é quase impossível de fazer pratos tailandeses sem essa raiz, decidimos importá-la para o Brasil na nossa mala. O resultado é que já temos dois vasos com nossos preciosos gengibres asiáticos. Espero que eles continuem a mostrar a força e energia que tem mostrado até agora. É que nossos pequenos tailandeses não sabem o que lhes espera aqui no nosso inverno. Por enquanto eles são bebês e estão em vasos e logo teremos que transportá-los para a terra. Tenho pensando, no entanto, em talvez plantá-los em vasos grandes para somente na primavera, quando eles estarão bem maiores e fortes, levá-los para fora definitivamente. Vamos ver. O fato é que todo dia vamos fazer uma visita aos nossos tailandeses que até já ganharam apelidos: um, por conta de ter crescido incrivelmente rápido e ser magro e algo, ganhou o nome de Empire State Gally e o outro, por ter se desenvolvido em dois, se chama de Twin Towers. Nada muito criativo, mas e daí? O mais legal é imaginar que conseguimos trazer um condimento que não existe no Brasil e que nem mesmo os restaurantes tailandeses têm na versão natural, ainda que ele seja imprescendível para a culinária tai. Acontece que falou “tai”, eu arregalo os olhos. Então vida longa aos nossos pequenos tailandeses que, com a nossa ajuda para enfrentar o clima deste lugar — nada tropical — logo estarão assim:

galengale.png

8 Respostas to “Jardim, até que enfim.”

  1. Sofia Says:

    Não entendo nada de plantas, cara.:/
    E olha que preciso aprender um pouco, vai que um dia pegue um projeto paisagístico. Passei com 8,5 nessa cadeira, mas mesmo assim não conheço quase nada de plantinhas…

    “com aquele perfume que me encanta e com aquelas flores pequenas, rústicas e absolutamente lindas que alegram qualquer ambiente.”

    Morri de vontade de ter lavandas em casa! Mas achei a foto familiar, acho que tem lá embaixo no jardinzinho da minha avó. Depois vou perguntar pra minha mãe o nome daquela planta…

    Beijinho! :**~

  2. Lili Says:

    AMO gengibre e comida tailandesa, nem se fala. Acho que vou pedir para o bruno ver se encontra essas sementes na China.
    Estou dando uma fugida da dissertação.
    Bj

  3. Aldo Says:

    Oi Cris!
    Aqui em casa também tivemos problemas com nossas lavandas. São plantas muito rústicas, que devem ser, literalmente, “esquecidas”! Elas não gostam de adubos e acima de tudo não suportam umidade em excesso. Quanto mais pobre o solo, melhor, desde que seja muito bem drenado. A única manutenção que damos aqui em casa é retirar as flores murchas e velhas, para que flores novas brotem no seu lugar. E se você quiser proteger o solo em volta dos caules, o que é sempre bom, pois evita a erosão e o ressecamento excessivo, dê preferência a seixos ou pedras. Aquelas lascas de madeira que são muito usadas hoje em dia não são boas para lavandas, pois acumulam muita umidade.
    Bjs.

  4. Edelize Says:

    Numa casa aqui perto, os donos plantaram lavandas no canteiro da calçada. Estão lindas e cheirosas. Mas, eu gosto mesmo dessas rosas de canteiros, brancas e cor-de-rosa.

    Eu acho que tem gengibre em Curita, lá no mercado municipal. Será que não existe mais? Quando era pequena minha vó fazia um refresco de gengibre. Mas, nada melhor que ter no quintal. Adoro comida tailandesa, aliás faz um tempão que não como…. humm acho que já sei o que farei sábado à noite!

    Eu sou um fracasso com plantas. A que ganhamos na cerimônia de cidadania está ainda viva, mas graças ao maridex.

    Beijocas e boa Páscoa!

  5. cris s Says:

    Sofia,
    As lavandas são um charme verdadeiro!
    bjs

    Lili,
    Nós trouxemos as raízes mesmo (!) dentro da mala. Não sei se se planta com sementes, nós não as encontramos na Tailândia.
    bjs

  6. cris s Says:

    Aldo, meu amigo,
    Você tem toda razão no que falou: eu acredito que elas tenham, por diversas razões, sido expostas à muita umidade. E pior: acho que eu adubei a terra… Mas vou tentar novamente e ter cuidado para ser menos cuidadosa!
    bjs para você e Carminha. Feliz Páscoa!

    Edelize,
    Sim, claro, temos gengibre de sobra por aqui!! Mas eu estou falando do galangale, o gengibre asiático (oriundo da China). Ele é da mesma família do gengibre que cresce por aqui, mas não cresce aqui. É a especiaria que falta nos restaurantes tais aqui (e que não deveria faltar). Daí a ‘onda’ toda!!
    beijocas e Feliz Páscoa

  7. Ana Paula Says:

    Adoro quando você comenta sobre seu jardim. É alentador. E suas lavandas, que pena! Quando penso em uma casa ideal para mim, o que primeiro vem à mente é um jardim com lavandas.
    Infelizmente, moro em uma cidade onde jardins e praças parecem desconhecidos da população.

    Uma ótima Páscoa!


  8. Adorei o título- jardim até que enfim…
    já tive e sempre insisto em ter, mas nem sempre consigo…
    Mas nunca vou desistir!!!
    Parabéns pelo seu blog
    bjs
    elsa


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: