Archive for Julho, 2008

Coisas do fim de semana.

Julho 20, 2008

Eu tinha esquecido de mostrar essa daqui. Olha que bonita, foi um presente.

E tem as rosas selvagens, que demoraram um pouco para aparecer, mas agora florescem assim, em ramalhetes ultra charmosinhos:

Chega de flores e vamos para o que interessa: comida. Taí a prova da minha gula: o meringue pronto para ir ao forno e se transformar numa pavlova dos deuses (receita da Nigella que eu postei aqui).

 

Para grandes gulosas uma sobremesa é pouco, então tive idéia de dar cabo daqueles morangos que estavam dando sopa lá na geladeira e fazer um crumble de morango com custard. Ficou muito bom e não sobrou nenhuma migalha pra contar a história.

Atente que as fotos não são aquelas bonitinhas que mostram a sobremesa linda e pronta para ser consumida. A foto aí de cima foi tirada dentro do forno enquanto ele estava assando. É que a fotógrafa esquece de fotografar e trata de sentar e devorar a quitute.

Gula é fogo mesmo.

Anúncios

Flores e lero-lero

Julho 13, 2008

O nosso inverno este ano tem sido hiper ameno. Quase todo dia faz sol e as plantas naturalmente pensam que é a primavera. O resultado é que tudo está brotando e o que era pra dar pinta só em setembro já está aparecendo agora, em julho. Uma loucura mesmo. O azul anil do céu tem estado espetacular, como dá pra ver abaixo:

Tanta loucura que apronto com os meus canteiros que acabei sucumbindo para uma coisa mais normal, a conselho do jardineiro. O negócio é que eu curto mesmo misturar plantas e flores de tamanhos e cores diferentes, mas é difícil porque sempre uma planta prevalece e mata as outras. O resultado pode ser um desastre, mas quando dá certo fica muito legal. O fato é que eu ando sem tempo, sem dinheiro e sem saco, então segui de bom grado o conselho do seu Manoel e plantei dois canteiros de amor-perfeito com flor de mel nas bordas. Para ser honesta não gostei muito porque está tudo muito certinho para o meu gosto. As flores são super coloridas e tal mas umas margaridinhas selvagens me apetecem muito mais.

Por outro lado, estou ansiosíssima com as orquídeas. Depois de um ano, quase sempre esqueço suas cores, o que é ótimo pois as belezas me surpreendem sempre. Aliás, na falta das lavandas, minhas all-time-favorite, as orquídeas têm sido as flores da vez. Elas nunca falham, sempre tem uma dando sopa e seus vasos fazem arranjos lindos.

Mais uma cheia de botões. Daqui umas duas semanas e elas estarão com flores lindas.

A bromélia aqui de baixo me surpreendeu porque depois de tê-la transplantado da casa velha, oito anos atrás, ela inventou de florescer agora. Eu plantei a bromélia em baixo de uma palmeira e achei o máximo quando a encontrei há duas semanas. Ela dura uns 2-3 meses e depois só Deus sabe quando ela volta.

Mas é o seguinte: ando realmente entediada com muita coisa. Com o meu julho que deveria ter sido uma coisa e foi outra, com a blogosfera e com umas outras coisinhas. Ando achando esse blog meu muito chato, muito controladinho pro meu gosto. Eu não me importo que ninguém comente ou que pouca gente leia o que escrevo, não se trata disso. Porque na verdade não tenho absolutamente nenhuma aspiração a ser uma grande blogueira, sai daí meu. Primeiro que eu não tenho o menor tempo pra isso, segundo que eu fico boba com as idiotices que eu leio por aí, com a falta de informação e conhecimento e isso — para mim — é bem complicado. Eu não tenho absolutamente interesse nenhum de demonstrar minhas abilidades acadêmicas aqui e não fico contando o que eu fiz e o que não fiz, de uma maneira ostensiva. Fico impressionada com a necessidade que muitas pessoas têm de se mostrar tanto e de passar doutrinas baratas do que deve ou não ser feito. Socorro! Acho abominável, por exemplo, perceber que, o simples fato de morar no exterior garante, para algumas pessoas, o direito de criticar “o(a) brasileiro(a)”, como se a pessoa fosse melhor ou tivesse aprendido mais (já que entrou em contato com o primeiro mundo…). Ora, antes de tudo, aprendam inglês bem, assimilem e entendam a complexidade da cultura do país onde vivem e procurem saber mais sobre as diversidades do Brasil… Desculpem o desabafo, mas há tempos queria falar isso. O que eu curto mesmo é quando encontro um papo descompromissado, opiniões sólidas sem pretensões descomunais e uma troca de idéias sem preconceito. É claro que todos escrevemos, vez por outra, textos rapidamente, afinal trata-se apenas de um blog. Mas um blog não deveria ser um lugar para vender filosofias baratas como se fosse a verdade absoluta e também não deveria ser lugar de afirmação de egos inflados.  Enfim, pra matar o tédio, fui tirar algumas fotos aqui pertinho de casa ontem. Essa foto é do Bosque Alemão e eu gostei bastante:

É isso. Boa semana!

Dibobeira

Julho 8, 2008

Dibobeira aqui nessa casa que tá com um jeito inóspito de ninho vazio, eu hein… Já que os prazos que estavam estourando (como eu previa, hoho) foram todos estendidos para o final de julho. O que fazer? Escrever os dois artigos para poupar trabalho e ansiedade no final do mês? Claro que não. Acabar de ler os três romances (Jasmine, Relato de um certo Oriente e Sobre a beleza) que eu tinha separado para antes de agosto? Tampouco, leitura não é uma atividade adequada para quem quer ficar dibobeira. Cuidar das pobres flores sua pessoa preguiçosa e metida que ainda fica inventando que é jardineira? Não, nem as flores, muito embora o dia esteja lindo de morrer com o céu pintado daquele azul límpido dos dias de julho de outrora. Limpar a casa, organizar os livros e os papéis que estão espalhados vergonhosamente em volta do computador? Nem pensar.  Ir ao cabeleireiro e dar cabo dessa raiz que está me deixando com uma cara de duzentos anos? Nah, esqueça, isso já se configura como tarefa. O legal mesmo é ficar aqui assim, dibobeira, totalmente à toa, se sentindo a inútil mais competente da face da terra. Que maravilha ser tão talentosa em algo! O procedimento pra dibobeira deve ser, mutatis mutandis, esse: munir-se de um computador. Visitar todos os sites de celebridades, evitando toda e qualquer leitura textual de mais de dez linhas.  Com ressalvas para as fofocas, é claro, porque essas são tudibom pra ficar verdadeiramente dibobeira. Atualize o seu YouTube, invista tempo nas entrevistas das celebridades, tem cada jóia rara por aí. Cheque o teu email de quinze em quinze minutos e quando você receber um email, não leia, vai que é algo importante! Leia todos os blogs legais, comente sobre inutilidades, mas lembre-se de apenas fazer elogios para você não se arrepender depois, sabe como é essa blogosfera de vaidades. E se nada der certo, fique só olhando pra tela, sem pensar em nada, mas pensando. Ah, e depois escreva um post com o título dibobeira.

Então tá

Julho 4, 2008

– Mãe, hoje vi o Karl Lagerfeld pela segunda vez. Nos contaram que ele é nosso vizinho. Ah, daqui um pouquinho vamos tomar chocolate quente no Angelina. Vou estar pensando em você. E você?

– Então tá, filha. Eu e o Dad estamos de saída para fazer compra na quitanda. Tá faltando farinha e tomate.

(…)

A Maria Luiza, minha filha mais velha, está passando uma temporada em Paris. Eu adoraria estar lá com ela porque eu morei em Paris por um ano e tenho ótimos souvenirs. Mas ela está com a minha mãe e, pelo jeito, a coisa está cheia de glamour e charme! Um pouco diferente da época que passei estudando e trabalhando (mas aproveitando horrores!) na Cidade das Luzes!

Profites-en pour moi e pour toi ma belle!

P.S. Angelina é um café ultra tradicional e badalado, que tem o chocolate quente mais gostoso do mundo.

Você queria ser a Angelina Jolie?

Julho 3, 2008

 Imaginem só chegar ao ponto de ter que mostrar o barrigão para apaziguar os vorazes paparazzi que nunca dão tregua. Nem para parir. Que horror.