Archive for Março, 2010

O caqui e o curso natural das coisas

Março 21, 2010

Acabei de comer um caqui antes da época. Um caqui cultivado em alguma greenhouse por aí. É um caqui prematuro, um caqui cujo curso natural foi alterado.  

Na medida que o homem interfere na natureza, a ordem natural das coisas se altera. As pessoas agem, julgam e interferem baseadas nos diversos inputs que receberam ao longo de suas experiências de vidas. Ninguém é neutro, ninguém é isento de pré-conceitos. Nós julgamos as situações e pessoas munidos da educação, dos conhecimentos, da cultura, da classe, etc., a que estamos associados.

Tá. Falei o que todos sabem. Mas talvez falei o que nem todos ainda sentiram. Quando a vida mostra que o curso natural das coisas foi, subitamente, alterado, nós nos damos conta da inexorabilidade do destino. Não adianta espernear. Mas quando algo foi arrancado de você tão injustamente que te faz questionar o “lugar natural das coisas”, assim como eu estou fazendo agora, você sente que  algo no teu destino, no que te era de direito sagrado, foi alterado. As consequências ainda não me são tão claras, mas uma coisa é: eu não sou culpada por este reverso tão artificial e acredito que algo no cosmo há de trazer uma resposta à altura para tal evento.

P.S. O gosto do caqui que eu comi não se compara, nem de longe, àquele do caqui amadurecido naturalmente, no seu curso natural.

Vestida e armada com as armas de Jorge

Março 7, 2010

How can I tell you

Março 1, 2010

Meu pai morreu há 30 anos e deixou um rombo no meu coração que nunca foi preenchido. É complicado para uma filha entender como uma pessoa extremamente carismática e humanitária como ele se vai para não voltar.  Até agora as pessoas chegam para me contar histórias incríveis dele e eu fico orgulhosa da sua história pessoal, do legado que ele deixou e do bem que ele fez para os destituídos. Desafiou o destino de imigrantes pobres e conseguiu ser um médico brilhante. Logo alçou vôos que lhe permitiram viajar e trabalhar por todo estado do Paraná. Um dos seus muitos grandes sucessos foi instituir a primeira Campanha contra o Câncer de Mama no estado, pela qual ganhou reconhecimento até da Organização Mundial de Saúde. A ironia é que foi de câncer que ele morreu, apesar de ter lutado bravamente por 8 anos.

Enfim, ficam os meus pensamentos e os meus sentimentos e a minha grande e eterna saudades do meu querido pai traduzidas de uma forma menos desajeitada na música do Cat Stevens.